Terça, 20 Agosto, 2019
       Flickr
       YouTube
       Twitter
       Facebook
       Orkut

Pesquisa no Site

Yvonne Pereira do Amaral

Yvonne Pereira do AmaralNasceu em 24/12/1900 na antiga Vila de Santa Tereza de Valença, hoje Rio das Flores, sul do estado do Rio de Janeiro, onde também, desencarnou em 09/03/1984. Filha de Manoel José Pereira Filho, um pequeno comerciante, e de Elizabeth do Amaral, foi a primeira de seis filhos do casal. Aos 29 dias de nascida, depois de um acesso de tosse sobreveio uma sufocação que a deixou como morta (catalepsia ou morte aparente), permanecendo durante 06 horas nesse estado.


Esse fenômeno que se repetiu oito anos depois, foi fruto de muitos complexos que carregava no espírito, já que na última existência terrestre, morrera afogada por suicídio. De fato, Yvonne Pereira foi uma criança infeliz. Cresceu em lar espírita e modesto, visitado em diversas ocasiões pela pobreza. O pai, homem de bom coração, desinteressado dos bens materiais, conheceu a falência comercial por três vezes, por favorecer os fregueses em prejuízo próprio. Posteriormente viria a tornar-se modesto funcionário público, cargo que ocupou até sua desencarnação, em 1935.
Era comum a família abrigar pessoas necessitadas, vivências que marcariam a vida futura da médium, que afirmaria mais tarde, que desde cedo se desprendeu das vaidades do mundo, vivenciando as dificuldades do próximo. O exemplo de conduta dos pais teve influência  no futuro comportamento da médium.

Era comum albergar na casa, pessoas necessitadas e mendigos. Aos 4 anos já se comunicava áudio-visualmente com os espíritos, aos quais considerava pessoas normais encarnadas. Duas entidades eram particularmente caras:

 

  • O espírito Charles, a quem considerava pai terreno real, devido a lembranças vivas de uma encarnação passada, em que este espírito fora seu pai carnal. Charles, o espírito elevado, foi seu orientador durante toda sua vida e atividade mediúnica.
  • O espírito Roberto Canalejas, que foi médico espanhol em meados do século XIX, era a outra entidade com a qual tinha ligações espirituais de longa data e dívidas a saldar.

Mais tarde, na vida adulta, manteria contatos mediúnicos regulares com outras entidades, como o Dr. Bezerra de Menezes, Camilo Castelo Branco, Frederie Chopin e outras. Aos 8 anos teve o primeiro contato com um livro espírita. Aos 12, o pai deu-lhe de presente “O Evangelho Segundo o Espiritismo” e “O Livro dos Espíritos”, obras doutrinárias fundamentais que a acompanharam pelo resto da vida.

Aos 13 anos começou a freqüentar as sessões práticas de Espiritismo, que muito a encantavam, pois via os espíritos comunicantes. Teve como instrução escolar apenas o curso primário. Não pode por motivos econômicos fazer outros cursos, o que representou uma grande provação para ela, pois amava o estudo e a leitura. Desde cedo teve que trabalhar para o seu próprio sustento.

Como já vimos, a mediunidade apresentou-se nos primeiros dias de vida terrena, através do fenômeno de catalepsia, vindo a ser este, um fenômeno comum na sua vida a partir dos 16 anos. Através do desdobramento noturno, Yvone Pereira navegava no mundo espiritual amparada por seus orientadores, coletando as crônicas, contos e romances com os quais hoje nos deleitamos. Como médium psicofônico, pode entrar em contato com obsessores, obsidiados, e suicidas, aos quais, devotava um carinho especial, sendo que muitos deles tornaram-se espíritos amigos.

No receituário homeopático trabalhou em diversos centros espíritas de várias cidades em que morou durante os 54 anos de atividade. Foi uma médium independente, que não se submetia aos entraves burocráticos que alguns centros exercem sobre seus trabalhadores, seguia sempre a “Igreja do Alto” e com ela exercia a caridade a qualquer hora e a qualquer dia em que fosse procurada pelos sofredores. Foi uma esperantista convicta e trabalhou arduamente na sua propaganda e difusão, através de correspondência que mantinha com outros esperantistas, tanto no Brasil, quanto no exterior.

Desde muito pequena cultivou o estudo e a boa leitura. Aos 16 anos já tinha lido as obras dos grandes autores como Goethe, Bernardo Guimarães, José de Alencar, Alexandre Herculano, Arthur Conan Doyle e outros. Escreveu muitos artigos publicados em jornai populares.

A obra mediúnica de Yvonne Pereira consta de 20 livros, entre estes:

  • Memórias de um Suicida
  • Pelos Caminhos da Mediunidade Serena
  • Um Caso de Reencarnação
  • Drama da Obsessão
  • Recordações da Mediunidade
  • Devassando o Invisível
  • A Luz do Consolador

Por tudo que significa, o nome de Yvonne do Amaral Pereira para sempre ficará registrado na história do Espiritismo no Brasil, e quiçá no Mundo. Afinal, foram quase 84 anos de apostolado mediúnico, de fidelidade a Jesus e a Maria Santíssima, tutora e guardiã, sendo sua vida verdadeira ode ao amor, demonstrando a excelência da Doutrina Espírita na tarefa de redenção das almas arrependidas e decididas à edificação do Reino dos Céus em si mesmas!

Fonte:
- Jornal Macaé Espírita – Nº 289/290 – Janeiro e Fevereiro de 2000
- Trechos da Biografia compilada por Rock Antônio Valência Oyola.

Mapa do Site                  Fale Conosco

CONTATO

Centro Espírita André Luiz
QE 16, Área Especial "A" - Guará I
Brasília - DF
CEP: 71015-264
Tel.: (61) 3568-8629
Fax: (61) 3381-2995
[email protected]

REDES SOCIAIS

Facebook Twitter Flickr Flickr

Login