Domingo, 22 Setembro, 2019
       Flickr
       YouTube
       Twitter
       Facebook
       Orkut

Pesquisa no Site

Joanna de Ângelis

Joanna de Ângelis“Um espírito que irradia ternura e  sabedoria, despertando-nos para a vivência do amor na sua mais elevada expressão”. Trata-se de Joanna de Ângelis que, através da mediunidade de Divaldo Pereira Franco, tem escrito livros ricos de ensinamentos baseados no Evangelho de Jesus e na Codificação Kardequiana. Segundo a Revista Presença Espírita e sites abaixo citados, entre as encarnações de Joanna de Ângelis quatro são conhecidas em nosso plano: Joana de Cuza: Nos tempos de Jesus, Joana fora esposa de Cuza, procurador de Herodes. Fiel seguidora do Divino Mestre teve grandes infortúnios domésticos em decorrência da resistência por parte de seu esposo, que não compartilhava de sua crença nos ensinamentos do alto.


Ao procurar Jesus para buscar orientação, recebeu a orientação de que ao invés de seguí-Lo deveria serví-Lo dentro do próprio lar, tornando-se um exemplo de vivência cristã. Foi imolada em Roma, no Coliseu, no ano de 68, por não renunciar à sua fé em Jesus, sendo então sacrificada numa fogueira junto ao seu filho. No evangelho de Lucas há duas passagens que citam a presença de Joana junto ao Mestre Maior: Cap 8:2-3 e Cap 25: 9-10.

Uma seguidora de Fancisco de Assis: Existem informações de que Joanna teria vivido na época de Francisco de Assis (1182-1226), sendo possível que tenha sido uma das seguidoras de Clara de Assis (1193-1252), fundadora da Ordem das Clarissas.

Sóror Juana Inés de La Cruz: Joanna renasce em 1651 no México e desde pequenina já mostrava ser uma criança prodígio. A fim de se dedicar mais a seus estudos e desenvolvimento espiritual, resolveu ingressar no Convento das Carmelitas Descalças, aos 16 anos de idade, transferindo-se mais tarde para a ordem de São Jerônimo da Conceição. Nasceu ali, a Sóror Juana Inés de La Cruz, ficando conhecida como a “Monja da Biblioteca”. Imortalizou-se também por defender o direito da mulher de ser inteligente, capaz de lecionar e pregar livremente.
Em 1695 durante uma epidemia de peste, Juana abatida e doente, tombou vencida, aos 44 anos de idade, após socorrer durante o dia e a noite, as irmãs religiosas que, juntamente com a maioria da população, estavam enfermas.

Sóror Joana Angélica de Jesus: Em 1761, na cidade de Salvador (Bahia), Joanna de Ângelis, retorna como Joana Angélica, filha de uma abastada família. Aos 21 anos de idade ingressa como franciscana no Convento da Lapa, com o nome de Sóror Joana Angélica de Jesus. Foi irmã, escrivã e vigária, sendo que, em 1815, tornou-se Abadessa. No dia 20 de fevereiro de 1822, defendendo corajosamente o Convento, foi assassinada por soldados que lutavam contra a Independência do Brasil.

Nos planos divinos, já havia uma programação para esta sua vida no Brasil, pois nas terras brasileiras estavam reencarnados e reencarnariam brevemente, Espíritos ligados a ela, dentre eles, Amélia Rodrigues.

Em “O Evangelho Segundo o Espiritismo” encontram-se duas mensagens de Joanna de Ângelis, assinando, humildemente, como “Um Espírito Amigo”. São elas: “A Paciência” (Cap. IX, item 7) e “Dar-se-á àquele que tem” (Cap. XVIII, itens 13 e 15). Além disso, Joanna de Ângelis integrou a equipe do Espírito de Verdade, para o trabalho de implantação do Cristianismo redivivo, do Consolador prometido por Jesus, conforme suas palavras no livro “Após a Tempestade”.

No plano Espiritual, Joanna planejou construir na Terra uma cópia da comunidade na qual estagiava na espiritualidade. Tendo como artífices Divaldo Franco e Nilson Pereira. Arquitetou a fundação da “Mansão do Caminho”, instituição comprometida a assistir os sofredores da Terra, os tombados nas provações, os que se encontram a um passo da loucura e do suicídio.

Os escritos do Espírito Joanna de Ângelis, além de conter construções filosóficas de conotação psicológico-humanísticas, são verdadeiros poemas. Graças aos sentidos especiais e sensíveis do médium Divaldo Pereira Franco, cujos ouvidos estão bem próximos da voz da Venerável Mentora, a Doutrina Espírita foi agraciada com obras imortais.

Fontes consultadas:
- Revista Presença Espírita, nº 257– nov/dez/2006, Livraria Espírita Alvorada Editora. Bahia: Salvador.
- www.ade-sergipe.com.br/
- www.geae.inf.br/pt/boletins/geae188.txt
- www.joannadeangelis.org.br
- http://pt.wikipedia.org/wiki/Joanna_de_%C3%82ngelis

 

Mapa do Site                  Fale Conosco

CONTATO

Centro Espírita André Luiz
QE 16, Área Especial "A" - Guará I
Brasília - DF
CEP: 71015-264
Tel.: (61) 3568-8629
Fax: (61) 3381-2995
[email protected]

REDES SOCIAIS

Facebook Twitter Flickr Flickr

Login